Chlamydia trachomatis, cultura

9 mar 2012 C, Exames

Comentário

Até recentemente, a cultura era considerada o padrão ouro para detecção da C. trachomatis em amostras urogenitais devido à sua elevada especificidade. Detecta somente corpos elementares viáveis, tendo, pois, sensibilidade inferior à amplificação do DNA (PCR). A cultura é realizada com inoculação de amostras em monocamadas de células de McCoy. A Chlamydia trachomatis cresce e forma inclusões intracitoplasmáticas que são visualizadas 48h a 72h após a incubação. Sua especificidade é próxima a 100%, com sensibilidade entre 70% e 90%. Em ordem decrescente da quantidade de organismos encontrados, citamos: raspado ocular, raspado endocervical, uretra masculina, uretra feminina e pus de bulbão. No linfogranuloma venéreo, o organismo é reconhecido em apenas 30% dos casos.

Veja também PCR para Chlamydia trachomatis e PCR Multiplex DST.

Método

Cultura em monocamada de células de McCoy.

Condição

Swab uretral, endocervical, conjuntival, retal, pus de bubão inguinal ou esperma. Esse teste requer amostra com número adequado de células, portanto, não é feito em urina. Para amostras de fundo de saco vaginal, o exame apresenta baixa sensibilidade.

Material uretral: coletar pela manhã antes de urinar ou permanecer no mínimo 4 horas sem urinar.

Material endocervical: a paciente não pode estar menstruada ou fazendo uso de medicações tópicas.

Preferencialmente, não ter feito uso de antimicrobianos nos últimos 7 dias.

Deixe um comentário

Search

+