Rubéola, anticorpos IgM, IgG e IgG avidez

29 mar 2012 Exames, R

Comentários

Doença viral de comportamento benigno, exceto em grávidas quando a infecção aguda pode levar à síndrome da rubéola congênita. Seguem os achados sorológicos nas situações clínicas possíveis:

Infecção primária: IgM torna-se positivo 1 a 3 dias após início da doença, sendo detectável por 2 a 12 meses. Reações falso-positivas para IgM podem ocorrer em pacientes com mononucleose infecciosa, infecções por parvovírus e coxsakievírus B. A IgG torna-se positiva a partir de 3 a 4 dias de doença, permanecendo indefinidamente. IgG de baixa avidez está presente por até 3 meses, sendo a partir de então detectado IgG de alta avidez.

Reinfecção: sorologia positiva anterior à reinfecção. IgG positivo com elevação de 4 vezes ou mais no título da segunda amostra. IgM pode estar presente. IgG de alta avidez e resposta linfoproliferativa estão presentes. Não representa risco para gestantes.

Rubéola congênita: no primeiro mês de vida, cerca de 20% dos infectados têm IgM negativo. IgG materna pode estar presente por mais de 6 meses. IgG avidez não tem utilidade pois pode permanecer com baixa avidez por até 3 anos na Rubéola congênita.

Imunes e vacinados: IgG positivo. IgM negativo após 3 meses da vacinação. IgG de alta avidez presente. Índice de soroconversão com a vacina é próximo a 95%.

Informações necessárias

Informar se está grávida, se teve contato e se já fez este exame anteriormente.

IMUNOENSAIO ENZIMÁTICO IgM e IgG

Condição

0,5mL de soro ou plasma (EDTA) para cada.

Jejum Obrigatório 8h.

ELFA – ENZYME LINKED FLUORESCENT ASSAY (VIDAS) IgM e IgG

Condição

0,5mL de soro para cada.

Jejum Obrigatório 8h.

TESTE DE AVIDEZ IgG

Método

Imunoensaio enzimático

Condição

0,6mL de soro.

Jejum Obrigatório 8h.

Deixe um comentário

Search

+